Para empresas que trabalham com marketing de SEO e buscam um bom ranqueamento nas páginas do google, é muito comum surgir a hipótese de fazer uso das técnicas de Black Hat SEO

Em suma, essa estratégia busca oferecer ao cliente uma série de vantagens:

  • Um melhor posicionamento na página de busca do google;
  • Aumento considerável nos algoritmos para alcançar seu produto;
  • Durabilidade de exposição de marca;
  • Geração de tráfego orgânico no site;
  • Filtragem rápida de público alvo, entre outras características.

No entanto, a estratégia de crescimento rápido (utilizando as técnicas de Black Hat) não é bem vista pelo Google e pode prejudicar o seu site. Pensando nisso, vamos explicar melhor sobre como funciona o Black Hat SEO e como ele pode prejudicar seu site. Se interessou? Então acompanhe a leitura até o final.

O que é um ranqueamento SEO

Antes de entrarmos no detalhamento das diretrizes adotadas pelo Black Hat SEO (técnica negativa), é importante deixarmos exposto ao leitor, que trabalhar com ranqueamento SEO é algo extremamente válido. Desde que feito da forma certa e segura.

E essa estratégia certa, busca através de uma série de mecanismos de marketing, produzir conteúdo relevante para que sua página esteja entre as primeiras do Google, quando um cliente em potencial estiver procurando pelo produto.

Para exemplificar melhor, imagine que um cliente busca por válvula de retenção no Google, a empresa que vende esse produto e que melhor trabalhou as estratégias de SEO (criando conteúdo de qualidade), vai aparecer nos principais resultados de pesquisa. Afinal, o Google irá entender que a empresa é a autoridade neste assunto. Visto que trabalhou conteúdos relevantes sobre o assunto.

E o Black Hat, o que é e por que essa estratégia é prejudicial?

Quando o Google criou o sistema de algoritmos de busca, como conhecemos hoje, visou oferecer ao cliente uma melhor experiência de navegação, além de promover a concorrência entre as empresas para colocar o seu produto melhor exposto na “vitrine do google”. Em suma, se você tem uma empresa que vende estrutura metálica para telhado, por exemplo, tem uma série de técnicas que podem ser usadas para alcançar esse objeto. A questão principal do Black Hat SEO ser tão mal visto, é que ele burla as ‘técnicas saudáveis’ que o Google considera relevante e competitivo. 

Quais são as técnicas mais utilizadas pelo Black Hat SEO (técnica negativa)?

Alguns profissionais fazem uso de estratégias como o ‘cloacking‘, que tem como objetivo fornecer conteúdos diferentes de uma mesma URL para visitantes específicos do site. Uma espécie de plágio de conteúdo. Além do famoso ‘keyword stuffing‘, que são o preenchimento de palavras-chave sem nenhum contexto ou colocação plausível de considerar um conteúdo relevante. 

Também é constante o uso de ‘spam’ em comentários de usuários para aumentar a interatividade de ações online.

Essas são umas das práticas mais comuns de fazer Black Hat SEO (técnica negativa) e certamente você já se deparou com sites que fazem isso.

Mas e a boa notícia? É que o Google já começou a identificar as empresas que trabalham criando conteúdos copiados ou fraudulentos.

O que o Google faz com empresas que utilizam-se das técnicas de Black Hat?

Agora você pode estar se perguntando: tenho uma empresa de automação predial, por exemplo, quais são os prejuízos que eu estarei suscetível de sofrer, caso eu utilize as técnicas de Black Hat SEO (técnica negativa)?

Pois bem, esse é o grande motivo da construção deste artigo. O Google, mediante a sua inteligência artificial, já sabe que existem sites que estão burlando seu conjunto de diretrizes para ranqueamento de SEO. 

Em outras palavras, você pode até tentar fazer o Black Hat SEO, mas viverá constantemente sobre a suspeita de ser descoberto e quando isso acontecer, o Google irá punir e simplesmente vai fazer o seu site não aparecer mais nos resultados de busca, o que será péssimo para sua empresa e para a divulgação online dos seus produtos e serviços.

Aposte sempre em conteúdos originais e relevantes para o seu site.

Gostou do assunto? Conte para gente nos comentários e não deixe de compartilhar nas redes sociais. 

Esse conteúdo foi escrito pela equipe de redação do Soluções Industriais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *