Conheça os 10 principais fatores de rankeamento do Google e CONQUISTE A INTERNET!

Aparecer na primeira página de resultados de uma pesquisa no Google é extremamente importante, já que cerca de 80% dos usuários não avançam para a segunda página de uma pesquisa.

Embora a empresa tente a todo custo manter isso em segredo, diversas pesquisas, cruzamento de dados e estudos de caso chegaram a algumas conclusões sobre quais seriam os fatores determinantes para ter um bom rankeamento.

Para ajudá-lo a ter visibilidade e cliques, vamos apresentar alguns desses fatores de rankeamento no Google e como aplicá-los por meio de SEO, ou seja, otimização do site para os mecanismos de busca.


1- Conteúdo único e de valor

Esse é o primeiro e mais importante fator de rankeamento a ser considerado. O Google consegue identificar se o conteúdo de seu site é original ou copiado de outros lugares e, quando ele percebe que ocorreu plágio, pune os sites nos resultados das pesquisas.

Se o que você tem a dizer é relevante, único, e os usuários permanecem bastante tempo em seu site, o posicionamento nas pesquisas só vai melhorar.


2- Autoridade do domíniogoogle-ranking

A autoridade de domínio indica a relevância do conteúdo de seu site, por meio de métricas como número de visitas. Para os algoritmos do Google, uma página com autoridade deve ter o melhor conteúdo, e por isso é um fator importante na hora de rankear um site.

É preciso algum tempo para construir autoridade na web, e isso pode ser feito com o uso de links para outros artigos de sua própria página (linkbuilding). Por meio de links de outros sites apontando para o seu site (backlinks). Porém, é importante lembrar que tanto os links que você insere, quanto os que levam o usuário até você, devem ter conteúdo relevante!


3- Autoridade da página

Também conhecido como Page Rank, a autoridade da página está ligada à autoridade do domínio. É necessário que várias páginas de seu site recebam visitantes e tragam conversões, tendo autoridade compatível com as dos concorrentes e mesmo com outros artigos de seu próprio site.

Essa métrica ajuda a descobrir por que uma página não consegue ultrapassar outras em uma busca, e com isso, você pode refazer o conteúdo, melhorá-lo e fazer o linkbuilding.


4- Trust Rank

É o nível de estima que o Google tem pelo seu site e pelo conteúdo dele. O princípio básico do algoritmo para definir o Trust Rank é se outro site inclui links para a sua página. Se aquele site tiver conteúdo relevante (não pode ser spam!), a chance de o Google confiar em você é maior, pois ele entende que o conteúdo é útil.

Da mesma forma, o Google pode privilegiar seu site no resultado de uma busca se ele perceber que um usuário não encontrou o que procurava em outros resultados.


5- Velocidade de carregamento

Este fator de rankeamento no Google considera a experiência de navegação do usuário. Cerca de 40% dos usuários abandonam um site se ele demora mais de 3 segundos para carregar. Assim, sites mais lentos vão ser prejudicados nas buscas.

O próprio Google possui uma ferramenta para analisar a velocidade do seu site, o Page Speed Insights. O diagnóstico é rápido e a ferramenta indica quais os pontos que você deve ajustar. Quanto mais próximo de 100, menos ajustes são necessários.


6- Responsividade

Uma pesquisa do IBGE divulgada em abril mostrou que o acesso à internet pelo celular cresceu de 53% em 2013 para 80% em 2014. Ao mesmo tempo, o acesso por computador caiu de 88% para 76% no mesmo período.

Os números brasileiros acompanham a tendência mundial, por isso um site desenvolvido a partir do princípio Mobile First terá prioridade nas buscas. Ele leva em conta a experiência do usuário que utiliza tablets e smartphones. Esses sites, chamados de responsivos, se adaptam a qualquer dispositivo.


7- Certificado SSL e HTTPS

Como o Google leva em consideração a experiência do usuário para indexar os sites em uma busca, ele não poderia deixar de fora o quesito segurança.

O certificado SSL criptografa as informações trocadas entre o usuário e o site que está sendo acessado, para evitar que sejam interceptadas por hackers.

O HTTPS protege informações do usuário quando inseridas em formulários de compras, criptografando, mantendo a integridade dos dados e fazendo a autenticação do site. Páginas de e-commerce devem investir nesses certificados, pois são fatores que passam maior credibilidade aos clientes.


8- Palavra-chave

Para planejar o seu site e os artigos que serão publicados nele, o primeiro passo é fazer uma pesquisa de palavras-chave, para saber quais os termos mais buscados. Isso garante que o conteúdo de seu site tenha relevância e um bom rankeamento no Google.

As palavras-chaves precisam aparecer nos títulos e algumas vezes ao longo do texto, sinalizando ao buscador que elas são importantes naquela página. Isso não deve ser feito em excesso, com risco de o site ser penalizado. Ou seja, o contexto em que a palavra-chave aparece deve ser relevante. Uma maneira de identificar a palavra-chave é usando negrito.


9- Usabilidade

A usabilidade de um site é medida pela taxa de conversão e tempo que os usuários permanecem em uma página. Ela indica se aquele conteúdo é relevante ou não. Por isso, quando o Google detectar rejeição do site pelos usuários, pode puni-lo, colocando outros mais relevantes em primeiro lugar nas buscas.

A facilidade de navegação, de encontrar as informações desejadas e de executar ações conta muito nesse quesito. Alguns aspectos que melhoram a usabilidade são a velocidade, o uso de tags nas imagens e a simplificação de menus.


10- Arquitetura do site

A arquitetura da informação no site está ligada à usabilidade e em como a disposição das mesmas leva à conversão por parte dos usuários. O conteúdo deve ser otimizado, tanto em relação ao texto, como em relação ao posicionamento dos vídeos, links e imagens.

O caminho que leva o usuário a algum item de relevância para ele deve ser o mais simples possível. Isso, principalmente no e-commerce. Pontos importantes para isso são as Breadcrumbs, tags que mostram ao usuário a localização dele em um site, como subcategorias; e as Heading tags, ou subpáginas dentro de uma categoria.

 


Nossa dicas finais para você conquistar a internet

Esses são apenas os 10 principais fatores de rankeamento no Google. Mas saiba que ao todo existem mais de 200, que mudam frequentemente de importância. Como você já deve ter percebido, seu site aparecerá nas buscas se levar em conta a experiência do usuário em seu site. E também e se o conteúdo for relevante. Por isso, conte com a Santa Agência e a plataforma de conteúdo Meu Redator que atualmente conta com mais de 500 redatores autônomos. Estamos dispostos, através da nossa especialização em ajudá-lo. Conte conosco.